NOTÍCIASNOTÍCIASNOTÍCIASNOTÍCIAS


Av. Getúlio Vargas
Feira registra em 2004 menor índice de dengue em dez anos

 

O índice percentual de notificações de casos de dengue em 2004 foi de apenas 8%, em relação a 2003 – 168 contra 2.103 casos, respectivamente. Foi o menor número registrado em Feira de Santana nos últimos dez anos. O índice de infestação predial no município foi pouco maior do que 0,5% - é um parâmetro que indica o risco de transmissão da doença, que no município está sendo considerado baixo.O trabalho foi exercido por 449 profissionais que atuaram em 05 cíclos. O primeiro no período de 04.01 a 20.03.04 teve o índice de Breteau em 0.78%. Segundo ciclo, 21.03 a 31.05.04, com 0,83%. Terceiro, de 01.06 a 07.08.04 com 0.78%. Quarto, de 08.08 a 16.10.04 com 0.39% e quinto ciclo, de 17.10 a 18.12.04 com o índice de 0.38% de infestação predial.As ações da Secretaria de Saúde, Funasa (Fundação Nacional de Saúde) e 2ª Dires (Diretoria Regional de Saúde), no controle da dengue se pautaram no PNCD (Programa Nacional de Controle da Dengue), com registro no Sinan (Sistema Nacional de Agravos de Notificação), de todos os casos notificados pelas unidades de saúde públicas e privadas e da investigação epidemiológica dos casos notificados.

Os casos registrados apresentaram maior incidência na zona urbana, em todas as faixas etárias e com uma maior concentração no sexo feminino. A secretária de Saúde, Zênia Araújo, afirmou que a redução dos casos de dengue também se deve a participação ativa da população que assimilou as campanhas educativas realizadas e participou ativamente no combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus que causa a doença.

A secretária também registrou as importantes ações da Divisão de Epidemiologia como a realização de exames laboratoriais, como sorologia, hemogramas e outros; acompanhamento dos pacientes que apresentaram complicações; reuniões mensais do Comitê Municipal de Mobilização contra a Dengue; mobilização contra a dengue no Dia D; realização de atividades de educação de saúde, com palestras, encontros e distribuição de material educativo e articulação permanente com os agentes comunitários de saúde para a realização de trabalhos de controle do vetor.